Archive for fevereiro \27\UTC 2008|Monthly archive page

Revivendo o Dual Screen

Devido ao vício em estado patológico que eu alimentava no WoW, eu deixei meu DS um pouco de lado. Agora que as aulas começaram eu fui “esporrado” desse MMORPG dos infernos, pelo menos por enquanto. É necessário uma boa parcela da tua mente/corpo pra aguentar a porrada de uma faculdade. E eu fico pensando ano que vem, que eu pretendo fazer DUAS. Então, essa foi a chance que eu precisava pra me apegar mais ao meu portátil, este que é conhecido por ter uma penca de jogos casuais, ”instant fun”, justamente o que eu preciso agora.

Tudo começou segunda-feira, quando de repente eu vi minha vida como uma grande poça de merda dentro daqueles banheiros “cavados” naqueles quintais ribeirinhos. Uma merda esquecida no fundo do quintal. Realmente, uma boa parcela das coisas anda dando muito errado por aqui. Justamente nesse dia meu amigo, que também tem um DS, resolve me emprestar o R4 dele, contendo uns 20 jogos. Foi o suficiente pra eu esquecer os problemas quase que instantâneamente. Aí dane-se tudo né…como disse um amigo meu, vou ”fall in love” com o meu DS.

Começamos a jogar já na sala de aula, na hora do intervalo. Elite Beat Agents.

Eu sempre tinha preconceito com esse jogo, não sei bem por que. Talvez uma mistura das imagens que eu via, junto com as músicas contidas lá que outro amigo meu comentava. ”Um jogo de ritmo com YMCA? E o povo acha legal? Mas que diabos?”, eu pensava. Isso até começar a dar as primeiras batidinhas rítmicas com a stylus. Esse jogo realmente merece um review aqui. Tô totalmente viciado. Cheguei depois da aula e fui logo jogar no R4 do meu amigo. Testei um monte de jogo que tinha lá, incluindo Contra 4, Final Fantasy XII…mas o vício ficou mesmo por conta do E.B.A.

Aí ONTEM de manhã eu acordei pra receber o meu salário atrasado e me dirigi à querida rua Marcílio Dias aqui do inferninho (Centro de Manaus) pra adquirir o meu R4. Mas, misteriosamente, a loja que antes vendia não vende mais. Talvez tenham colocado as caixas em vitrines mais afastadas da rua, ou coisa parecida. Mas eu nem vi. Daí nem pensei duas vezes, fui em uma outra loja que eu já sou cliente e comprei meu Pokémon Pearl.

Que por sinal já tá com 6 horas de jogo, desde ontem à tarde. Pra um gamer como eu, isso é ridículamente pouco, mas sabe como é né. Aula. Livros pra ler. Dentre outras coisinhas que chupam o tempo. Mas eu sempre arranjo um tempo pras minhas nerdices, afinal…

O que eu tenho a dizer sobre o Pearl antes de um possível review seria…óbvia e significativa melhoria gráfica, sonora e musical (acabaram-se as melodias enjoadinhas, agora tá até mais ”adulto”), muita coisa nova (formar grupos, ”dress-up pokemon”, dentre outras), muitas funcionalidades novas, proporcionando um gameplay quase que totalmente novo, com o uso da touch screen (mesmo ainda sendo possível realizar tudo pelo bom e velho direcional), pokémons novos até ”engolíveis” (me privei de rever aquela lista dos pokémons novos, pra ter uma certa surpresa no jogo) e etc. O que não me agrada é que nessas novas gerações de pocket monsters tá vindo uns cada vez mais complexos, uns tipos bizarros, água/terra, wtf? Sem contar que fica uma coisa meio ecologicamente e cronologicamente sem fundamento, os pokémons dos primeiros continentes são menos complexos, isso quer dizer o que? Que o continente é mais novo? Que os continentes desses jogos atuais são mais antigos? Relaxem, isso é pensamento de doido mesmo. Sem contar que desde a geração R/S/E, foderam/complicaram tudo com aquela putaria de effort points e etc, antes era tão mais legal simplesmente assassinar pokémons selvagens/obliterar pokémons de treinadores inimigos até o lvl 100 e pronto…não precisava complicar tanto.

Enfim. Transmissão finalizada. Fica aí no aguardo dos reviews, se eu lembrar.

Guias World of Warcraft – Frost Mage (parte I)

Então, você se viu de repente sentado aí na frente desse monitor. Já havia jogado quase todos os MMORPG’s do planeta, estava entediado, com dor de cabeça e muito, muito puto. Também já havia jogado todos os Dating sims do Newgrounds, quase todos os jogos single player de PC, além de ter visto os vídeos mais interessantes do YouTube. Viajando pelos abismos da Internerd, eis que você vê aquele jogo, que você evitou por motivos obscuros até então. Aquele, que todo mundo comenta, que todo mundo JOGA. Inclusive perde a vida (em todos os sentidos possíveis) jogando. Oh, meu deus. Você achou World of Warcraft.

Seus amigos enchiam o saco durante meses pra você jogar, mas você nunca jogou por ser um imbecil preguiçoso. Afinal, é uma Odisséia baixar esse joguete, uns 6 GB com expansão. Você tem uma net de 64 kb, você é corajoso. Um fã doente da saga Warcraft, vai lá e baixa esta droga por VINTE dias.

Vamos pular a parte que você passa DEZESSEIS HORAS POR DIA jogando. Vamos direto ao assunto. Você jogou com quase todas as classes do jogo, e agora, decidiu jogar de Mage.

Que master of the arcane porra nenhuma. Frost mage. Aquela porrinha frágil como de costume, que dá menos dano que o Fire Mage, mas que por outro lado é mais divertido e eficiente no PVP. É tendo esse pensamento em mente que decidi fazer um guia básico do Frost Mage. Muita gente, que tem preguiça de ir em alguns dos milhares de sites sobre WoW e dar uma estudada na classe prefere ler uma coisa simples e direta. Só lembrando, isso é ESTRITAMENTE direcionado pra quem joga WoW. No post anterior eu dei uma dica de site, pra quem não joga. E outra, muita coisa que eu vou escrever aqui é MINHA observação de um mage. Muita coisa também eu vou tirar de sites como WoWWiki, Thottbot…aqueles, que você viciado terminal deve conhecer.

Então, vam’cumeçá.

 

VISÃO GERAL

 

Primeiro, tenha em mente que um mage é frágil, como todos os casters que você conhece no mundo dos games são. Em contrapartida, são os malucos com maior DPS do jogo. Numa luta, você vai querer manter distância do mob/player, o que é particularmente fácil fazer com frost mage. Por quê? Frost Nova e chill effects, amigo. Coração da estratégia, seja em PvE ou PVP, de um frost mage. Mais tarde eu falo mais sobre ela, quando estiver falando de build/skills e talents.

Como eu havia dito, a principal “área de atuação” de um mage especializado nessa skill tree são os Chill Effects, Freeze, e etc, que deixam o inimigo lento/congelado. Enquanto isso você, sempre de longe, com Frost Bolts e coisas do gênero, mantendo a distância com Frost Nova e metendo com força e profundamente nos adversários.

Frost também concede ao mage a possibilidade de escapar FACILMENTE de uma situação de perigo. Se a classe já tem Blink, Mana shield, de quebra ainda terá Ice Barrier da frost tree. É relativamente fácil escapar de ambushers (aqueles rogues folgados que já chegam enfiando a dagger por trás enquanto você está matando mobs alegremente), e outras situações, como por exemplo, 5 mobs correndo atrás de você, que podem ser parados, todos, com Frost Nova enquanto você sai spammeando Blink, lol’s e /silly.

Pra finalizar, é uma tree divertida. Bem mais divertida de se jogar do que Fire, a meu ver. Ta certo que Fire causa praticamente o dobro de dano, é overpower pra upar e tudo o mais, porém é como eu já disse, frost é mais eficiente no PvP. Não há problema algum em upar com Frost, no final das contas. Mas vai do gosto de cada um. E se você leu até aqui, já sei o que você gosta, então continuemos.

 

BUILD

 

É claro que vou falar da minha build aqui. E sim, vamos estudá-la.

 

http://www.wowhead.com/?talent=oi0VZZVAMcofxoiqt

 

Simples, com algumas variações. Tem os clássicos pontos de suporte em Arcane, que ajudam em resistência a tuas magias além de Arcane Concentration, que é super útil, 10% de chance de reduzir o mana cost da sua próxima spell de dano.

Sem muita enrolação, falemos da parte Frost do negócio.

Primeiro: Sacrifiquei os 3 pontos em Elemental Precision aí, e mais 2 em Arcane Focus lá em Arcane, pra deixar as coisas a meu gosto. Quem precisa de míseros 3% a menos de mana cost nas spells? No lvl 70 é mana que não acaba mais. E o efeito secundário também é besta.

Então, você chegou no lvl 10, começa a distribuir os pontinhos nos talentos. Deixe Arcane pra depois. Vá colocando pontos em frost, sempre nos talentos com ajuda/resultado imediato. Deixe os “menos importantes” pra depois. Comece logo metendo 5 pontos em Improved Frost bolt, pra reduzir um incrível MEIO SEGUNDO do casting time (acredite, isso faz uma diferença incrível). Frost bolt é a magia primária que você vai usar como frost mage, chamando mobs, usando após frost nova…trate-a bem. Logo depois, 5 pontinhos em Frost Shards. 100% de critical bonus, fujam para as colinas. A essa altura, já tem Frost Nova e deve estar começando a brincar com ela (e com os outros). Mas pode deixar pra depois, frostie. 3 pontos em Piercing Ice, são 6% a mais de damage pras tuas frost spells. Icy veins, esqueça por enquanto. 2 pontos em Improved Frost Nova, e lá se vão 4 segundos do cooldown chato que a BLIZZARD sempre coloca nas melhores magias. Shatter, outro coração da estratégia (já são 2, se chegar a 10, teremos uma minhoca ao invés de um frost mage). Ponha 5 pontos pra combar com Frost Nova, 50% de dano crítico em alvos congelados. Ficando interessante, não?

Arctic Reach é fundamental pra aumentar range de Frost Bolt, Blizzard e área de efeito do Cone of Cold/Frost Nova. Acredite, é muito fácil errar o range dessas duas magias (o que com prática é superado), então Arctic Reach é fundamental. Frost Channeling vai te deixar mais à vontade pra gastar 15% a menos nas tuas frost spells, em contrapartida, vai reduzir 10% da threat causada pelas mesmas. Who cares, anyway? Deixe Improved Cone of Cold e Permafrost pra depois. O que importa agora é chegar no Water Elemental no menor tempo possível. Pode meter Icy Veins agora, se quiser. Depois, Cold Snap, que elimina a porra do cooldown de todas as skills usadas recentemente.

Depois, Winter’s Chill. 5 pontos nessa belezinha te garantem 100% de chance de aplicar o efeito do talento, aumentando em 2% a chance de crit. De uma frost spell no alvo. UP TO 5 TIMES. São 10%. Agora, some isso com Shatter, Ice Shards…meio foda. Ta babando aí? Já pode ir metendo ponto em Ice Barrier! ASAP! Sobe um escudinho pra absorver dano, e tu ainda não perde casting time enquanto ele estiver ativo. Útil pra caramba.

Depois vai em Arctic Winds, pra aumentar 5% do dano total das frost spells, e diminuir em 5% a chance de um hit melee ou ranged te acertar. Heh. Empowered Frost Bolt vai transformar aquela tua singela magia inicial em uma navalha, 10% de todos os bônus de spell damage e mais, MAIS 5% de chance de crit.

Ufa. Finalmente, o teu Water Elemental. Aquele clássico summon do Archmage no Warcraft 3, lutando ao teu lado. Aliás, viciado, o frost mage te lembra uma mistura de Archmage com Lich, pelo Frost Nova? É, aqui também. O Water Elemental é um minion, logo é como controlar um minion de warlock ou um pet. Use as hotkeys para acionar comandos como atacar ou mudar modo de luta (agressivo, defensivo, essas coisas), isso acelera bastante as ações. E a belezinha ainda pode congelar.

Sinta-se livre pra por os pontos em Permafrost e Improved Cone of Cold quando quiser. 2 pontinhos em Permafrost pra aumentar os chill effects em 2 segundos e mais 7% de redução de velocidade. Pobre de quem estiver na tua frente. Eu já lutei com frost mage como warrior, e é CHATO ficar andando mais devagar que aqueles critters lvl 1. Cone of Cold é uma excelente magia pra usar quando o inimigo ta congelado ou não, dá um dano modesto (alguns momentos emparelha com Frost Bolt), é instant e tem um cooldown até aceitável, sendo possível usar várias vezes numa batalha. 35% a mais de damage não é nada mal.

Pronto, primeira parte do guia básico foi essa. Na próxima parte pretendo falar de impressões end game, PvP versus cada classe, PvE, profissões recomendadas e sets. E mais um coisa: se for copiar, COPIA DIREITO. Faz citação. É parecido como quando nós vamos escrever um artigo científico e ”roubamos” a idéia de algum maluco. Fazemos a citação do nome do cara e ano que ele falou aquilo, em seguida. Não custa nada, né?

C’est la vie.

O tempo não existe…

Isso mesmo. Esqueçam o tempo absurdo que fiquei sem atualizar. Porque, afinal, o tempo não existe. Se ele não existe, eu posso inventá-lo. Hoje é 2 de janeiro, e eu tenho novidades pra cacete.

Brinks. Na verdade eu viajei na velocidade da luz por um tempo. Por isso o blog ficou abandonado. Na verdade, todos viajamos! 12 de fevereiro? Que brincadeira é esta…Bom. Como eu havia dito, tenho umas novidades interessantes e um conselho a dar aos amigos leitores, e como eu sei que muitos são nerds vegetativos, preciso lhes dar esse WARNING:

Fiquem longe do jogo World of Warcraft. Foi esse troço que me tragou o mês de janeiro inteirinho, me fez esquecer o tempo, o espaço, me fez viajar na velocidade da luz…enfim. Trata-se de um jogo manipulador que a Blizzard criou pra arrecadar dinheiro de uma galerinha esperta que não faz nada da vida além de jogar, e também para destruir lares bem estruturados, vidas sadias e interação social entre os macacos.

Embora eu esteja dando esse conselho…eu não vou parar de jogar. Só estou falando isso pra manter os noobs afastados dos servers e não sobrecarregar, dá muito lag, atrapalhando grinding/questing/instances. Além do mais, noob é noob, e enche o saco. Ditto? Não jogue. ÇOME DAKI.

PÓREM, se você que estiver lendo não for um noob, tiver mais de 15 anos, estiver pronto pra abandonar uma parcela significativa da sua vida e levantar um alicerce viril do desenvolvimento nerdal para todo o sempre, acesse: http://www.wow-brasil.com/zohar/ e, por favor, ME WHISPA.

Outro assunto de suma importância é que minhas aulas começaram ontem. Estou estudando de noite, agora traçando parábolas pro caminho de volta pra casa, passando por lugares onde eu possa reduzir pelo menos 33% da marginalidade do centro da cidade às 22:00. Sem falar que nossa turma juntou com a da noite, a típica turma dos engomadinhos que falam pra cacete e fazem 30 minutos de pergunta após a professora explicar 20 minutos de matéria. É dose. Eu sei que pesquisador tem que ter o dom da dúvida, da pergunta e da crítica. Mas excessividade de dúvida, pra mim é burrice. O maior do de um pesquisador é…pesquisar. Sacas? ”Eu dou aos meus alunos o maior presente que lhes poderia dar como professor: a oportunidade de aprenderem sozinhos”, disse uma professora minha.

Enfim…é isso. Tô de volta, eu acho.